Após os ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia, que deixaram 50 mortos e vários feridos na última sexta (15), a primeira-ministra Jacinda Ardern anunciou a proibição da venda de armas automáticas e semi-automáticas de estilo militar no país. Os responsáveis pelo atentado usaram armamentos desse tipo.

De acordo com Ardern, a lei deve entrar em vigor no dia 11 de abril. O governo estuda propostas para incentivar donos de armas deste tipo a entregá-las às autoridades.

Após o ataque, quatro homens foram presos e um deles é considerado o principal responsável pela violência.